Loading

Angola Government: Angola e China formalizam facilitação de vistos

15-Jan-2018 Angola e China reforçaram neste domingo 14, em Luanda, a cooperação bilateral com a assinatura de um acordo para a facilitação de vistos em passaportes ordinários. 

Um acordo para a facilitação de vistos em passaportes ordinários foi rubricado este domingo 14, em Luanda, entre os chefes das diplomacias de Angola, Manuel Augusto, e da República Popular da China, Wang Yi, no quadro do reforço da cooperação bilateral entre os dois países.

O acordo, que entra em vigor dentro de 30 dias, vai agilizar os mecanismos de concessão de vistos a empresários e homens de negócios, académicos e pesquisadores científicos, homens de cultura, desportistas e pessoas com necessidades de tratamento médico.

A assinatura seguiu-se a um encontro entre delegações dos dois países e que do lado angolano contou também com a presença dos ministros das Finanças, Archer Mangueira, e Recursos Minerais e Petróleos, Diamantino Azevedo.

Em declarações à imprensa, o ministro Manuel Augusto referiu que a ocasião serviu para discutir o “enquadramento das relações e apreciação da dívida de Angola”.

No entanto, Manuel Augusto escusou-se referir-se ao valor total da dívida angolana para com a China, adiantando que até ao momento ela situa-se nos parâmetros daquilo que o Executivo está autorizado a faze-lo.

De igual modo, disse ainda que as partes estão satisfeitas com o caminho percorrido até aqui, no quadro da cooperação, e decidiram discutir, do ponto de vista técnico, novas formas e métodos inovadores que continuem a mantê-la em níveis sustentável e para que o seu curso não seja interrompido e os projectos já em curso ou venham a ser acordados possam ter o referido suporte financeiro.

Neste contexto “as partes decidiram que, no imediato, equipas técnicas dos dois países devem trabalhar no âmbito da preparação da segunda sessão da Comissão Orientadora de Cooperação Económica e Comercial, que é o mecanismo utilizado pelos dois países para coordenar e supervisionar a cooperação económica bilateral”.

Esta, acrescentou, terá lugar em Luanda, num futuro muito breve e, no quadro destas discussões tomar-se-ão decisões relacionadas com a assinatura de instrumentos jurídicos que são considerados indispensáveis para conformarem ainda mais o apoio institucional à cooperação bilateral.

Por seu lado, as autoridades chinesas, através do ministro Wang Yi, manifestaram confiança na capacidade de Angola em honrar os seus compromissos.

De igual modo, Wang Yi reafirmou o carácter estratégico das relações bilaterais, que têm se baseado na amizade e honestidade.

Destacou ainda o interesse das partes em promover a actualização, dinamização e aumento da qualidade das acções de cooperação, bem como a confiança política, através de mais apoio às questões de interesse vitais.

Neste contexto, disse, à China vai apoiar Angola a acelerar a diversificação da sua economia, assim como o seu processo de industrialização e modernização.

As relações entre Angola e China datam de 1983, tendo este ano assinalado 35 anos. Ao nível da África Austral o maior parceiro comercial africano (desde 2007) deste Estado asiático, com quem coopera nos domínios militar, agrícola, académico, agro-industrial, infra-estrutural, petrolífero e tecnológico.